PARADISUM





 
“O preço da liberdade, e até da simples humanidade, é a vigilância eterna”
Aldous Huxley

 A partir do projecto coreográfico Partículas douradas num mundo quase sempre vestido de preto, estreado em 2015 no auditório do Teatro Municipal Campo Alegre, transporto a instalação criada na peça, para um novo lugar, no foyer do Teatro Municipal Rivoli, como objecto independente.
 Paradisum é uma cidade embalada em plástico, infinitamente em construção, amplificando um mundo que se fabrica cá dentro e lá fora ao mesmo tempo. Observamos e somos observados, como uma representação da nossa própria existência, em expansão permanente. Mas no sentido inverso.


Concepção, banda sonora e instalação: Joana Castro
Colaboração e assistência técnica: Fábio Ferreira
Agradecimentos: Sonoscopia


No âmbito do 85º Aniversário do Rivoli