ZOO de Victor Hugo Pontes



“Why Look at Animals?”, texto originalmente publicado pelo ensaísta britânico John Berger em About Looking (1980), onde reflete sobre a relação ancestral entre animais e humanos, esse “companheirismo inominável” em regime de mutação nas sociedades contemporâneas, uma vez que as criaturas enjauladas em jardins zoológicos acabam por tornar-se “monumentos vivos ao seu próprio desaparecimento cultural”. Zoo interessa-se por este processo e transforma-o em matéria teatral, estruturando-se em torno de pares ora dicotómicos, ora complementares: homem e animal, observador e observado, público e cena.

Perdida a relação com a natureza, resta a esperança de nos religarmos ao mundo através da experiência da beleza num ambiente de assumida artificialidade? Zoo é um paradoxo em estado de observação.


Direcção → Victor Hugo Pontes
Cenografia F. Ribeiro
Desenho de luz Wilma Moutinho
Música original Rui Lima e Sérgio Martins
Apoio à dramatúrgia Madalena Alfaia
Produção executiva Joana Ventura
Performers Diletta Bindi, Joana Castro, Marco da Silva Ferreira, Paulo Mota, Pedro Rosa, Valter Fernandes, Vítor Kpez
Co-produção Nome Próprio, Maria Matos Teatro Municipal, Centro Cultural Vila Flor, TNSJ
Apoio à residência Companhia Instável, Teatro de Ferro, Circolando