TERRA QUENTE TERRA FRIA de Joana Providência



Terra Quente, Terra Fria é uma viagem a Trás-os – Montes através da obra de Graça Morais. Um percurso que vive do seu olhar, das suas memórias, da forma como tacteia as pessoas, paisagens, sensações e lhes dá corpo através do seu traço e da sua pintura.
Trabalho coreográfico, dirigido por Joana Providência, que conjuga actores e bailarinhos num mergulho ao interior do universo da pintora e que transporta o público para o pulsar da vida, para os rituais e para as paisagens que habitam a sua obra ou, como no Reino Maravilhoso de Torga, para “… um mar de pedras de tudo parado e mudo, um mundo! Um nunca acabar de terra grossa, fragosa, bravia que tanto se levanta a pino num ímpeto de subir ao céu, como se afunda nuns abismos de angústia, não se sabe por que telúrica contracção…”
Perspectivando a construção de um trabalho não anódino o projecto será criado de raiz no âmbito de residência artística da companhia em Bragança e será, ainda, enquadrado pela dinamização de várias oficinas de formação das áreas movimento e de improvisação que visam uma aproximação real e recíproca entre a equipa criativa e a comunidade. 


Direcção → Joana Providência
Figurinos → Lola Sousa
Desenho de Luz → José Nuno Lima
Sonoplastia → Luis Aly
Intérpretes e co-criadores → Anabela Sousa, António Júlio, Joana Castro, Paulo Mota e Vera Santos
Co-produção → ACE/Teatro do Bolhão | Teatro Municipal de Bragança
Apoio → Centro de Arte Contemporânea Graça Morais